quinta-feira, 26 de junho de 2014

Velasco acusa família Carvalho: servos de Lúcifer



quinta-feira, 26 de Junho de 2014


Apontando o dedo aos servos de Lúcifer.

Em primeiro lugar, repito o que já afirmei em pelo menos duas ocasiões: desejo que as autoridades investiguem exaustivamente as actividades da família Carvalho. Diante da revelação e dissecação da aula introductória do Sr. Gugu, que mais não é do que um convite aos alunos para um mergulho nas dimensões mais profundas do olavismo, qual foi a atitude dos Carvalho? Difamar, mentir, omitir e conclamar os fanáticos à perseguição, nada mais. E a campanha tem funcionado, devo dizer, não faltando voluntários para sujar as mãos para manter a cuidadosamente construída reputação dos Carvalho:


Se pensam que desistiremos, estão enganados. Continuaremos porque estamos preparados para tudo. Quem se mete com uma seita luciferiana sem saber que o destino de quem o faz é a morte violenta, ainda que num futuro remoto, é um imbecil, e não é esse o nosso caso. Além dessas ameaças desastradas, temos também as ameaças judiciais. Não contentes com a tentativa falhada do Sr. Tiago Amorim, temos agora uma outra, transmitida pela Rádio Vox:


Notem que Sr. Tales afirma que se acusarmos o Sr. Olavo de um crime, e apenas nessa condição, o Sr. Gugu nos irá processar desde a Roménia. Quem faz tal ameaça diante do que afirma ser uma campanha de difamação, ainda mais quando afirmamos que ele e a sua família formam uma seita luciferiana? Isso não é a atitude de alguém que é difamado injustamente e não esconde algo comprometedor, e não se pode dizer que foi um acto falho pois o Sr. Gugu tem repetido isso ao longo dos últimos dias para todos os seus sequazes, inconformados com a passividade do clã. Mas podem dormir tranquilos pois não acusarei ninguém de um crime sem ter provas, tal e qual temos feito desde o princípio do affaire Olavogate


Quem acusa os outros de crimes sem provas são os indivíduos da seita olaviana, cujo sumo-sacerdote já chegou ao ponto de me acusar de ser um agente a soldo de uma potencia estrangeira, no caso, a Rússia. Podem ter a certeza de que ao acusar o Sr. Carvalho de um crime punível por lei, o farei com provas. Mais estranho torna-se o facto do clã nada fazer em relação às graves acusações que fazemos quando levamos em conta o histórico do Sr. Carvalho, o homem que processa toda a gente e incita a todos a seguir o exemplo! Temerá ele que eu demonstre em tribunal, com provas, que ele mente? Da minha parte, só não processo o Sr. Carvalho por me difamar pois não tenho recursos, mas se alguém com condições financeiras me quiser financiar, processarei o Sr. Carvalho nos EUA!

Ciente de que foi apanhado e que mesmo os mais lentos começam a perceber que há algo de podre na pocilga olaviana, o Sr. Olavo não somente aumenta a intensidade dos seus xingamentos em relação a mim, ao meu irmão e a todos os que nos apoiaram ou dão a cara na luta pela verdade, mas agora tenta reduzir danos recorrendo a mais uma estorinha de maneira a enganar os que têm memória curta, ou seja, a maioria dos seus "fãs". Afirma que não falou com o seu filho Tales, e nada soube dele, durante dez anos, tomando conhecimento há sua conversão há pouco. Por coincidência, somente depois do Prometheo ter provado documentalmente a conversão de Tales, como o fez em relação ao próprio Olavo - e ao Gugu! Não é que o homem que sabe tudo o que se passa nas altas esferas da política vem agora nos tentar convencer de que nada sabia do Tales, e isso enquanto o Tales manteve contacto com o Gugu!

Ainda que isso fosse verdade, o próprio Tales relatou no programa de rádio mencionado que em 1993, ou seja, mais de uma década antes do suposto corte de comunicação com o pai, já andava nos meios sufis e até foi convidado para viajar ao Afeganistão e treinar numa base dos Taliban. Seria provavelmente o primeiro caso de um "kuffar" a receber tal convite (nem o Rambo foi convidado)! Mas o próprio Gugu, tão próximo do pai, que o promove descaradamente como um prodígio que aos cinco anos já sabia ler (apesar de ainda não saber falar), parece ter escondido factos importantes do pai. Leiam o testemunho abaixo, relatando uma viagem a Marrocos do Gugu:



Aqui ficamos a saber para onde leva o olavismo. O vídeo da aula, entre outras coisas, foi enviado para uma série de padres, incluindo o Padre Kramer, doutor da Igreja que até há alguns meses era referenciado pelo Sr. Olavo como o maior especialista mundial em Fátima, passando depois a padre que deseja exterminar 2/3 da população humana e distorce a profecia para alcançar o seu desejado genocídio. O pe. Kramer, que fez o favor de assistir o vídeo, afirmou que o gnosticismo é mais do que evidente e o elemento vermelho não significa nada para além de Lúcifer, não havendo espaço para qualquer equívoco!

Para concluir o post, deixo aqui uma acusação para que o Gugu, que está na Roménia, não se sinta traído nas suas expectativas. Acuso o Sr. Carvalho, a sua família e todos os que fazem parte do seu círculo mais íntimo de terem formado uma seita luciferiana!  Depois de todas as revelações, é um dever afirmar isso publicamente. O que mais é preciso? Um documento de registro de seita luciferiana em cartório? Um vídeo com os rituais? Um balancete da Seita Luciferiana do Olavo, Lda. publicado no Diário do Comércio? Quem, depois de ler tudo o que expusemos, ainda tiver dúvidas a respeito do assunto, melhor fará se procurar o seu caminho bem longe do mundo das letras pois, se continuar nessa via, acabará por se perder. Digo isso mesmo a sério.     


Olavo de Carvalho: pior que Lula

Engraçado um 'historiador' (OdeC agora se deixa intitular assim) não saber o que acontece em sua própria família. Imagina, então, o que vai pelo mundo ou pelo Brasil, onde ele não põe os pés há dez anos. 

Na Rádio Vox, seu filho Tales de Carvalho revelou que, em 1993 - vinte e um anos atrás - ele já estava no Islã, chegando a ser contatado, em São Paulo, pelo Talibã para fazer treinamento de quatro meses, com todas as despesas pagas, no Afeganistão. Tales devia ser cabra bom, testado, para, com tão pouca idade, ser convocado para a Jihad.
"Olavo de Carvalho 26/06/2014
about an hour ago near Richmond, VA
Não devo satisfações a Veadasco nenhum, mas aos meus alunos informo que por longos anos, à distância, deixei de acompanhar a carreira do Tales e SÓ AGORA obtive uma confirmação explícita da sua adesão ao Islam. Ele, por sua vez, é um homem adulto, pai de família, e não me deve satisfações. Fico feliz de que ele esteja trabalhando com o Gugu, cujo trabalho segui mais de perto.

Vai saber...



domingo, 22 de Junho de 2014


Curso Olavo de Invocação do Capiroto

Vai um chouriço? Então vai ter que beber o vinho!*


Retomando o trabalho de exposição começado há algum tempo, hoje decidi abordar o Instituto Cultural Lux et Sapientia e o Centro Cultural Landmark. Após vários meses investigando os institutos mencionados, que mais não servem do que para introduzir discípulos nos círculos mais restrictos da organização de Sidi Muhammad Ibrahim (Olavo de Carvalho), constatei que no fundo estes são apenas uma reinvenção do COF de Curitiba (Sim, o tal que Sidi Muhammad afirma ter sido infiltrado por tariqueiros, acabando em orgias e num exorcismo), ou seja, tudo mudou para continuar na mesma.

Os directores e o núcleo continua o mesmo, desde os professores até os organizadores do curso, com destaque para Sidi Ibrahim Isa (Tales de Carvalho, com quem o Olavo “não falava há mais de dez anos”...), Sidi Ahmad (Luiz Gonzaga de Carvalho, ou Gugu), Luciane Amato e Eduardo Dipp, e mais uma vez parece ter havido infiltração por gnósticos e luciferianos. Assim, como favor, usarei o Prometheo para informar Sidi Muhammad Ibrahim que os seus institutos foram novamente infiltrados e desvirtuados do seu catolicismo schuoniano sui generis. Começarei pelo próprio nome dos locais.

Landmark, para quem estudou a maçonaria, é uma palavra com um sentido bem claro e até a WIKIPEDIA possui uma entrada sobre o tema:


Não bastando uma coincidência, eis que Sidi Muhammad Isa também comete uma “gafe gnóstica” bastante evidente, escolhendo o nome Lux et Sapientia para o seu instituto. A palavra Lux é usada como referência a Lúcifer, o que traz a luz e o saber. A luciferiana Alice Bailey, para ficarmos por um exemplo que o próprio Sidi Muhhamad conhece, fundou o Lucifer Trust na Onu para difundir material New Age, posteriormente mudando o nome para Lux Trust, de maneira a torná-lo menos indiscreto, e depois para Lucis Trust..


Mas essas não passam de pequenas “coincidências”, relativamente inócuas. Passo agora à análise de algumas aulas ministradas nos tais institutos. A primeira aula que abordo foi ministrada por Sidi Ahmad, que num tom sereno, recorrendo ao uso de personagens centrais do cristianismo, descreve um pacto satânico, provocando os alunos com insinuações pouco discretas. Cada cor corresponde a um estado de consciência do aluno, representando o negro o roxo e o azul a saida das trevas e o reconhecimento de um saber, movimento que ele descreve como ascendente. A seguir, descreve as cores verde, amarela e vermelha, e explicando o processo descendente. Aqui começa o aliciamento gnóstico, onde ele deixa bem claro aos alunos que apenas o "elemento que desceu do Céu” o poderá levar para o Céu. Não é preciso muito esforço para constatar que ele descreve Lúcifer, o anjo caído que traz a luz e dá conhecimento ao homem... A aula prossegue e são enumerados todos passos todos para o aluno tomar posse da qualidade ou virtude que deseja , com a advertência de que o “professor” não pode fazer nada daquilo em aula, mas apenas instruir o aluno pois ele terá de fazer isso por si próprio. Contei mais de 40 provocações numa aula de uma hora e 50 minutos. Pedi a alguns padres que analisassem o conteúdo e todos eles confirmaram que se trata de uma aula de iniciação luciferiana.


Diante do achado, acabei por investigar mais a obra da seita que parece se infiltrar em todas as obras de Sidi Muhhamad, tendo inclusive cooptado o seu filho. Assim cheguei à eloquente aula de “Indrodução à Vida como Narrativa”, da Srª. Luciane Amato, velha companheira de Sidi Muhhamad. Aqui, aparentemente, deixamos o misticismo do Gugu e mergulhamos no mundo literário. As cores deixam de ser a ferramenta para a descrição da iniciação luciferiana, que passa exemplificada por supostos métodos de reflexão literária. Tal e qual o Gugu, ela insiste com veemência na necessidade de se "mergulhar " na própria alma, e usa o termo "tomar posse" como palavra código para o pacto satánico. Tenta seduzir os alunos perguntando repetidamente aos alunos se estes sabem quem são e qual é a vida que realmente desejam viver, fazendo o mesmo jogo que Gugu faz com as cores, em especial com a amarela e a vermelha, as cores da interiorização e da decisão. Ao longo da aula achei cerca de 20 provocações luciferianas/gnósticas.


Como não há duas sem três, temos ainda uma aula ministrada pelo professor e poeta Eduardo Dipp. Apesar de ser artista, é menos articulado que os personagens das aulas anteriores se limitando a recitar poemas escolhidos pelo seu conteúdo gnóstico, ou que podem se assim interpretados. Entre os poetas citados, destaco o nome de “Dante” Gabriel Rosseti.



Com isso, tendo em conta que foi o meu primeiro e provavelmente último post no Prometheo, aproveito o clima religioso e me despeço desejando a todos um Feliz Natal, especialmente à família Dipp, logicamente com muito cuzcuz, peixe e nada de álcool...

Texto escrito por Jorge Velasco

* Por consideração à criança, que foi identificada pelo pai numa rede social, progenitor que ao invés de proteger a sua identidade e afastá-la do casal luciferiano da fotografia, preferiu usar a própria cria, a qual deveria defender, para fazer uma ameaça judicial, apaguei o rosto dela. Um pai de tal qualidade, na minha opinião, deveria perder a guarda dos filhos. Ass: Carlos A. R. Velasco

Não deixem de ler: Sexo, Sufismo e Mentiras: Quando Olavo é Traído por Sidi

77 notas sobre a "aulinha" de Sidi Ahmad, o "Gugu"

terça-feira, 24 de Junho de 2014

77 notas sobre a "aulinha" de Sidi Ahmad, o "Gugu"

Deu prá entender? (há quem realmente tenha dado para isso;).

Levando em conta que há pessoas que não perderão o seu precioso tempo assistindo a aulinha do Gugu, e que muitos assistirão, mas nada entenderão, resolvi pedir ao meu irmão os seus apontamentos da aula recomendada no post Curso Olavo de Invocação do Capiroto.  

Colocarei as 77 notas sobre a tal aula em bruto, sem correcções, pois tenho menos paciência para corrigir as notas sobre as aulas do Gugu do que para a própria aula. Aqui seguem as notas, e antes dela segue o endereço da aula, que ainda está disponível no youtube:

Princípios de Cosmologia Tradicional - 01


25 min - "Solve Et Coagula". (ver figura do Baphomet).

30 min – Piada provocativa sobre o facto de que se não sabes o que desejas, não irás encontrar nada, em que fica claro que tens de saber qual qualidade ou coisa desejas alcançar pois sem isso é impossível realizar um pacto. 

38 min – “o que vale a pena neste mundo é conhecimento e virtude o resto tudo se obtém”. (conceito de 
gnosticismo puro, o culto do conhecimento como ponto máximo da existência humana e salvação, sendo 
assim uma virtude). 

39 min – “tudo no mundo é bom, até certo ponto, depois só acumula trabalho” (interessante pensar no 
pecado a partir dessa perspectiva “mágica”). 

40 min – “quanto mais melhor, temos é que adquirir, não importam os meios...” (Preciso comentar? Os fins justificam mesmo todos os meios? Até a venda da alma?). 


42 min - "o azul o convida a ir até ele" (para se aprimorar a alma não importam os meios). 

46 min – “quando ele realizou que existe conhecimento, ele inicia o movimento descendente” (Quando o 
candidato se apercebe que existe algo para além do material, aí ele inicia a descida ao encontro 
de..."conhecimento", inspiração luciferiana).

46 min – “ele não entendeu ainda, ... sabe que existe algo lá, mas não entende sua natureza” (falta a 
revelação satânica, ele tem que entender exactamente de onde vem o conhecimento...). 

47 min – “falta a mudança da alma devido ao conhecimento” (Pois! Interiorizar, isso altera a alma da 
pessoa - gnose explícita).

48 min – “Mas a luz que ilumina a planta, ela não vem dele, vem do "céu" (Lúcifer, o anjo caído, veio do 
céu. É considerado e chamado de "aquele que porta a Luz, o conhecimento). 
Sorriso malicioso com pausa. 
 “A Planta não tem "Luz" própria, se tirar o "Ceu", ela morre” (chega a ser pueril).

48 min – “Procurar as raizes do entendimento nele mesmo” (lembrando que ele comparou o 
conhecimento à virtude, aqui temos gnose mais uma vez, se as duas são iguais, o homem pode se salvar 
sem a ajuda de Cristo, através do acúmulo do conhecimento). 
“O Inicio desse estágio é o amarelo, agora vc tem que ter uma iniciativa tua" (Aderir à tarica? Eis a 
revelação satânica se aproximando, notar que o amarelo representa o Sol, a entrada do candidato na 
ordem, onde o mesmo deixa de ser um profano e começa a ter a verdade revelada aos poucos). 
Mais risos, mas apenas os “membros do círculo” presentes compreendem o que ele está realmente 
dizendo. 

49 min – “ agora vais ter que repetir em você a experiência do autor ou do professor” (passar pelos 
mesmos rituais da tarica, o pacto).

49 min - "Símbolo inicial na mente" (Símbolo gnóstico, saber como salvação). 

50 min - "No amarelo acontece a tomada de decisão" (Aqui o candidato sabe claramente no que está a se 
meter e do que estão a falar, cabe a ele a decisão de entrar ou não na tarica). 

50 min - "Eu agora quero ser o Entendedor disso!" (Sim, o aluno iniciado agora quer destaque, poder e 
status, ou seja, o que melhor dominou o tema, o “Entendedor”). 

53 min – “O professor já te deu o conhecimento, agora é a parte que você tem que fazer por 
você” (Tens de falar com o professor, o famoso trabalho fora da sala de aula).

56 min – “iniciar o movimento contrário” (ele estava indo a caminho das virtudes, certo? Agora, para 
“entender tão bem como Sócrates” – ver o que a maçonaria e os gnósticos pensam de Sócrates - tens de 
iniciar o movimento descendente, em direcção ao “vermelho”). 

57 min – “Agora você tem que "ir para dentro" (gnosticismo e pacto, afinal, queres ou não ser como 
Sócrates? Tens que interiorizar essa virtude, essa qualidade, esse conhecimento). 

57 min – “Ninguém vai chegar aos céus mesmo” (o Gugu e seus discípulos? É certo que não;). 

58 min – “Ninguém sobe aos céus senão aquele que desceu do céu” (Lúcifer, o anjo caído mais uma vez 
revelado, a origem do conhecimento). 

57:52 min – “Você tem que encontrar esse que desceu do céu”. ( Encontrar Lúcifer? O COF me parece 
um bom lugar para começar). 

58 min – “E se ele desceu, significa que ele já está aqui” (Lúcifer está cá, sempre esteve - desafio da 
montanha a Cristo, ele é o senhor deste mundo. O reino de Jesus é o reino dos Céus, é outro). 
58 min – “Agora você terá que complementar o esforço com algo diferente” (Será o ritual de iniciação? Será como o do Lings ao Olavo? Notar o sorriso do magugu). 

59 min – “Representado pelo lado esquerdo” (Referência ao dualismo maçônico, as duas torres que 
formam os pilares da cabala e do templo de Salomão). 

1:00:00 min – “Agora tens de comer o alimento” (Referencia à maçã de Adão e Eva, o fructo proibido, 
por sua vez, fruto do conhecimento, aquele que a serpente fez o homem comer). 

1:02:00 min – “Agora tens de achar o reino dentro de ti” (200% gnosticismo, é possível ser mais gnóstico 
que isso?). 

1:03:00 min – “Chamar o elemento que desceu do céu até você” (Mais uma vez "O anjo caído" sendo 
citado na aula...). 

1:03:00 min – “Isso aí, não tem bem como ser ensinado em aula” (Pois, imagino que deve ser complicado 
sacrificar uma galinha em aula cerimonialmente, ou "introduzir um aluno" nas profundezas do oculto...). 

1:03:00 min – Aqui o Gugu lembra como os alunos de "Platão" sentiam neles "mesmos" essa qualidade de Platão. Fica mais uma vez clara a influência luciferiana, o "carisma", ainda mais quando o Gugu se compara a indirectamente a Platão ao mesmo tempo que brinca com o orgulho dos alunos). 

1:04:00 min - "Você até pode aconselhar, mas não pode ser dado em aula" (Tem de ser o “real deal”, 
nada de brincadeiras. Ou queres o capiroto, ou não). 
“Você em aula pode o quê? Representar simbolicamente esse processo...” (Notar novamente o longo sorriso e a pausa. Chega a ser canastrice digna de pornochanchada). 

1:05:00 min - “Você pode até dar a aula assim” (Mais um sorriso que só os cúmplices entenderão). 

1:07:00 min – “Se ele não completar o movimento, o aluno sente que não ganhou posse daquilo” (ganhou 
posse daquilo, um termo muito usado por satânicos para se referenciar à qualidade que eles desejaram 
e através do pacto conseguiram...). 

1:08:00 min – “o que há nele e sempre acerta” (100% infalível? Parece coisa do diabo, não? Ele sabe 
fazer promessas...). 

1:09:00 min – “esse tipo de aspiração é muito raro hoje em dia” (O materialismo também afectou o 
mercado da bruxaria. Maldito liberalismo:). 

1:12:00 min – (impagável; Este vale a pena ouvir, não quero estragar a surpresa).

1:14:00 min – “Da onde veio isto?” (os alunos devem ser mesmo muito burros para precisarem de tantas 
provocações!). 

1:15:00 min – “Esse elemento desceu do céu, ele é celestial” (Lúcifer tem uma origem celestial, mas...).

1:15:00 min – “É só esse elemento que vai poder te levar ao céu!” (Apenas Lúcifer salva? Lembra 
gnosticismo, e estou a ser brando).

1:15:18 min – “Seja que tipo de céu for, seja céu no sentido da sabedoria, inteligência,...”(Inteligência 
é comparada ao céu, como disse, para um gnóstico, conhecimento é o caminho da salvação). 

1:16:00 min – “É um processo de limpeza de ideias” (Sim, trata de jogar tudo o que há de cristão dentro 
de ti fora, e toca a meter "o vermelho" lá prá dentro).

1:17:00 min – “Isso aí, só pode vir depois do primeiro trabalho” (não há almoços grátis para o tal que 
desceu do céu...). 

1:17:25 min – “Senão ele confunde com o que está em cima com o que está em baixo” (Ele confundiu 
direitinho, dá para ver, deve pensar que Lúcifer salva alguém...).

1:17:53 min – “Mostrar que tem uma escada e existe um fio que nos liga lá acima...podemos até mostrar 
isso nas aulas...” (conceito maçónico da escada, referência a Lúcifer como o “fio” e mais uma vez o 
conhecimento como porta de entrada no céu... ).

1:18:48 min – “Isso no curso é apenas feito de maneira simbólica, é importante salientar isso” (sim, 
matar a galinha em aula é complicado e o que desceu dos céus não quer representações e muito menos aulas prácticas de "gestão de orgia"). 

1:19:28 min - "É importante que sejam modelos superiores a nós" (Tipo Crowley? Malandro! Tentando os alunos que já sabem do que se trata a aula...). 

1:20:04 min – “É importante que sejam pessoas que você quer ser” (Rock Star? Professor famoso? 
Filósofo de renome? O que desejam? Aqui o freguês é que manda...). 

1:20:42 min – “Olha o que você quer ser, e o que você quer, isso é importante!” (Sim, só se faz isso uma 
vez, não dá para vender a alma duas vezes, portanto, não se faz isso por um I-Phone ou por um rolo de papel higiénico). 

1:21:50 min – “Isso é que é importante você saber, isso é importante no movimento descendente, quem 
você quer ser” (É importante que fique bem claro o que desejas e a qualidade que desejas interiorizar, 
não há volta atrás. Bom, talvez com exorcismo, mas não recomendo ir por aí...). 

1:23:22 min – “Pois esse juiz tá aí” (Lúcifer tá de olho, afinal, ele é o olho que tudo vê...). 

1:25:00 min - “A certeza das duas coisas está na mesma fonte” (Lúcifer como fonte do conhecimento e 
como fonte de salvação). 

1:26:00 min – “Quando ele entender tudo relativo à inteligência, aí estamos na fase verde, vamos iniciar 
a fase descendente” (Ele entendeu que Lúcifer é a fonte do conhecimento e terá de tomar uma 
decisão). 

1:27:40 min – “Eu sei o que você queria, melhor que você” (É sempre o mesmo conto, eles sabem mais 
que os outros, ou pensam que sabem). 

1:28:01 min – “Isso o curso não vai te dar, mas ele pode favorecer isso aí” (você me paga, e eu ensino os "paranauê, e depois é com você e o chifrudo). 

1:29:40 min - “quando ele chegar aí, entendeu o que é a inteligência, então isso é um mapa que vai te 
ajudar a achar o elemento de inteligência dentro de ti” (através do pacto e do uso dos símbolos 
cabalísticos...). 

1:31:00 min – “O cara não pode ter medo” (Deve ser complicado encarar o capiroto... imagino que consiga ser mais feio que o próprio Luiz Gonzaga! Porém, são os covardes que se deixam enganar pelas promessas 
do cão). 

1:31:26 min – “Pq isso é importante, se você soubesse, estaria aqui dando aula no meu lugar” (Gugu, olha que algum aluno ainda pede para tomar o teu lugar;). 

1:31:55 min – “Agora eu sei que isso é inteligência... a inteligência é um negocio imortal, imaterial, 
etc...” (novamente o Lúcifer, o anjo imortal, imaterial e a fonte do conhecimento...). 

1:32:40 min – “Encontrar a inteligência dentro de você não será feito em aula” ( Novamente temos a referência ao pacto e à interiorização demoníaca, para além do dilema da galinha de Angola). 

1:32:57 min – “o que ela é dentro de você”. (parece um demónio...).

1:33:41 min – “Você só vai entender o cosmos quando entender a inteligência... uma é produto da 
outra..." (que maravilha! Vamos entender o cosmos e a inteligência do Criador vendendo a alma a 
Lúcifer... bela promessa!). 

1:35:06 min – “Você passa a ter um mapa do que ela é” (Sim, um mapa lá para baixo, vai te descrever o 
caminho descendente todo:). 

1:35:30 min – “Sem isso aí, ela não vai achar dentro de de você”.(Sem o pacto, nada feito). 

1:36:00 min – “Cheguei à pedra filosofal, isto é conhecimento”. (A pedra filosofal, por ser uma fonte de saber, é geralmente comparada a Lúcifer).

1:36:54 min – “Faz parte do que é a inteligência”. (No caso do Luiz Gonzaga, deve ser toda a inteligência pois dele não sai nada). 

1:37:08 min – “Isso vale tanto para cosmologia como vale para tudo” (Já deu para entender, Gugu. O teu 
público é que é muito burro, incluindo os corrompidos). 

1:37:14 min – “Se você quer ser santo, é isso o que você tem que fazer” (“santo” do tipo Schuon e Lings?). 

1:37:43 min – “Se eu quero achar essas coisas, tenho que procurar dentro de mim”. (Mais gnosticismo, 
mais interiorização do capeta). 

1:38:10 min – “Conjugar essa fonte exterior com a interior” (Novamente o pacto). 

1:38:31 min – “o outro precisa de um ambiente muito especifico para isso acontecer”.(Sim, um terreiro 
de macumba, uma tarica disfarçada de instituto cultural, etc...).

1:39:19 min – “depois é mais fácil achar a raiz disso em você” (Sim, depois fica mais evidente o 
gnosticismo).

1:40:40 min – “solve et coagula é o esquema do cosmos, é assim que o mundo funciona”. (Dizem os 
bruxos e o Baphomet). 

1:41:20 min – “...Santíssima Virgem e o menino no colo” “Dois anjos lado a lado, um vermelho e um 
azul” “Eles representam esses movimentos cósmicos” “Só usando os dois você irá transcender” (queria 
vê-lo explicando isso no Tribunal do Santo Ofício;). 

1:42:16 min – “Se você não completar eles, você não vai conseguir” “Isso vale para tudo que é bom” 
“qualquer qualidade que desejam”(Voltamos à situação do rockstar:). 

1:43:20 min – “Só pode ser achado num esforço individual”. (Vender a alma é uma decisão pessoal. É um 
acto de covardia perante a adversidade, mas continua sendo um esforço individual). 

1:45:16 min – “A inteligência é o ponto crucial” “O que é inteligência? É o ponto de partida e de 
chegada”. (Lúcifer como Alpha e Ômega, como ser triunfante, capaz justamente de entrar no Céu triunfalmente se assim o desejar). 
http://libertoprometheo.blogspot.pt/2014/06/77-notas-sobre-aulinha-de-sidi-ahmad-o.html

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Recordar é viver: e a maçonaria, Olavo de Carvalho?

     Mírian Macedo: "Citando René Guénon, o senhor defendeu a união da maçonaria com o cristianismo. E pode?!"
            Olavo de Carvalho: "Parece que houve aí uma divisão de trabalho: a maçonaria ficou com os Pequenos Mistérios e a Igreja com os Grandes Mistérios. Não é preciso dizer que este simples fato é causa de inumeráveis desequilíbrios. Enquanto estas duas ordens de conhecimento não forem de novo articuladas, a unidade espiritual do Ocidente não será reconquistada."

          Íntegra da resposta de Olavo de Carvalho*: "Este problema que você coloca é dos mais cabeludos. Eu dificilmente poderia explicá-lo aqui. Mas é preciso considerar que a maçonaria tal como a conhecemos hoje se origina no século XVIII, a partir da unificação de antigas iniciações de ofícios, sobretudo dos construtores medievais que, durante mil anos, tinha funcionado perfeitamente bem dentro do contexto cristão sem nenhum problema.

     A encrenca começa a partir do momento em que, dentro da própria maçonaria, começam a surgir outras sociedades, estas sim verdadeiramente secretas, que se apossam de áreas inteiras com o objetivo de transformar a maçonaria em instrumento da revolução.
     
     Isto é muito bem explicado num livro já clássico, de um mestre maçom chamado John Robinson, intitulado Proof of Conspiracy. O livro saiu no começo da história republicana aqui nos Estados Unidos.
     
     Evidentemente, foi bastante lido pelos maçons da época, inclusive o presidente George Washington, que, vendo a penetração destas idéias revolucionárias na maçonaria, confirmou que aquilo existia e disse: "Eu espero que isto não se propague aqui nos Estados Unidos (pois isto estava acontecendo na Europa, principalmente na França).
      
      Quando se fala de maçonaria, não se pode falar  de um negócio assim em  bloco, porque existem camadas e camadas de complexidade aí. Mas, em todo caso, o fato da maçonaria originar-se nestas comunidades de ofício mostra que ela não tem originariamente uma inspiração anti-cristã.
      
      Por outro lado, estas comunidades legaram à maçonaria inumeráveis conhecimentos, sobretudo sobre a constituição da ordem política, da ordem do Estado. E estes conhecimentos são realmente  importantes para a administração do mundo. 

      Como havia aquela distinção dos Pequenos Mistérios e Grandes Mistérios (Pequenos Mistérios são aqueles que se referem aos conhecimentos de ordem cosmológica, ordem do mundo, constituição do mundo, inclusive do mundo histórico, social, político; e por outro lado, os Grandes Mistérios, que se referem à ordem puramente espiritual, da imortalidade da alma, Deus  etc), parece que houve aí uma divisão de trabalho: a maçonaria ficou com os Pequenos Mistérios e a Igreja com os Grandes Mistérios. 

      Não é preciso dizer que este simples fato é causa de inumeráveis desequilíbrios. Enquanto estas duas ordens de conhecimento não forem de novo articuladas, a unidade espiritual do Ocidente não será reconquistada. 

      Pior ainda: à medida que o tempo passa, aparecem sociedades secretas dentro de sociedades secretas, conspirações dentro de conspirações, tornando tudo uma bagunça monumental. 


     É evidente que as conspirações existem, mas também é tolo imaginar, como faz este senhor Armindo Abreu, que certas sociedades secretas são controladoras do mundo.
Ninguém controla o mundo, o pessoal disputa poder e faz confusão.

     
      Pior ainda, quando os elementos causadores de uma situação contêm um forte elemento secreto, é muito difícil entender até historicamente o que aconteceu. A história do mundo, além de tornar-se extremamente violenta, ainda tem a questão de que ninguém sabe quem fez o quê. A prevalência do segredo como elemento histórico importante é um dado do século XX."

*PS: . Olavo de Carvalho respondeu às minhas perguntas no dia 12/02/2007  (a resposta está no link, a partir de 13 min20seg até 20min36seg. O email (abaixo) foi enviado ao programa True Outspeak. http://www.olavodecarvalho.org/midia/070212true.html



 "Professor Olavo, como vai?
     
     Sou Mírian Macedo, de São Paulo. Tenho acompanhado a sua participação no podcast de Yuri Vieira e ouvido seu programa de rádio True Outspeak. Brilhantes, parabéns. Eles têm sido muito esclarecedores para mim, mas, por outro lado, também me confundiram, principalmente no que se refere à união da maçonaria com o cristianismo. E pode?!

      A propósito: não entendo de profundidades filosóficas, sou só uma esforçada e curiosa ex-jornalista e rainha do lar que tem o vício de gostar de assuntos de que nada entende e que são, em geral, difíceis e complicados. Fazer o quê?

     Na conversa com Yuri, o senhor, citando René Guenón, defendeu a união da maçonaria com o cristianismo como única saída para o furdunço em que está transformado o mundo. O professor falou em maçonaria anti-cristã e maçonaria pró-cristã. O que seria uma e outra? 

     E esta última é um clube de bondades e bons propósitos, uma entidade de princípios éticos, dedicada ao culto da fraternidade, respeitosa de todas as religiões e do Deus de cada uma? E como fica a encíclica Humanus Genus e o documento que a ratifica, escrita pelo cardeal Ratzinger em 83?

     Outra coisa: falar em mistérios, mesmo que sejam pequenos mistérios, não é contrariar o próprio Senhor Jesus Cristo, que mandou gritar sobre os telhados o que se ouvisse na surdina, garantindo que nada havia para ser ocultado?

     A tese de que todas as religiões (inclusive o cristianismo) têm sua gnose é cara a muitos estudiosos do assunto, como é o caso do romeno Mircea Eliade. Ele cita, em defesa de sua idéia, o Evangelho de Mateus, as obras de Orígenes e Clemente de Alexandria e a carta aos Efésios, de São Paulo. 

      Segundo ele, a hierarquia eclesiástica da Igreja dos primeiros tempos combateu a gnose e o esoterismo pelo temor de que certos gnósticos pudessem introduzir no cristianimso doutrinas e práticas radicalmente opostas ao éthos do Evangelho. Eliade afirma:

      - Não era o " esoterismo" e a "gnose" como tais que se revelaram perigosos, mas as "heresias" que se infiltravam sob o manto do "segredo iniciatório".

       Vale lembrar: Eliade faz a ressalva de que, no caso do cristianismo, a existência de um ensinamento esotérico praticado por Jesus e continuado pelos seus discípulos é negada pelos Padres da Igreja e historiadores antigos e modernos.

       E, de volta à questão: não é heresia negar as próprias palavras de Jesus Cristo de que não existe nada secreto?

        Um abraço.

        Mírian Macedo




São Paulo,capital

VTNC é coisa de Olavo

        "Não, isto não é coisa de Olavo de Carvalho, minha gente!". Foi a explicação de um amigo para o xingamento a Dilma Rousseff no Itaquerão.

        Antes não fosse, digo eu. OdeC conseguiu divulgar para todo o Brasil, através de Gentillis, Lobões, Felipes Moura Brasil e milhares de olavetes quadrúpedes, o padrão VTNC de responder, discutir, debater e protestar. 

        Fosse isto apenas uma reação legítima à imoralidade de método petista e eu não seria alvo de 'convite' como aquele dirigido a Dilma Rousseff, nas páginas de Olavo, pela única razão de ter enfrentado o mestre e exposto de maneira transparente os motivos que levaram-me a não querer mais ser sua aluna. 

        Sabendo que eu sou uma mulher casada, o escroque Olavo de Carvalho indicou uma 'especialidade' de aula (que eu não ouso repetir) que eu daria na Velasco University, referência a dois irmãos, um deles seu ex-aluno, que publicam denúncias e fazem perguntas que Olavo não responde.